São Paulo e Palmeiras vivem equilíbrio nos confrontos na era Abel Ferreira 

Desde o segundo turno do campeonato Brasileiro de 2020, os times acumulam partidas históricas e polêmica

Nas últimas temporadas, o Choque-Rei, entre São Paulo e Palmeiras, ganhou uma visibilidade maior pelos confrontos decisivos dos dois clubes, em jogos do Paulistão, Libertadores e Copa do Brasil.

Em decisões de mata-mata, São Paulo leva a vantagem com 13 vitórias contra quatro do Verdão, essa sensação de freguesia é falsa levando em conta aos confrontos dos últimos anos. O Tricolor ficou sem vencer o Palmeiras em sua nova arena, por dez partidas. Já o Alviverde passou 25 anos sem triunfo no Morumbi.

O jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil de 2022 foi o 14º entre São Paulo e Palmeiras na era Abel Ferreira, com cinco vitórias para cada e mais quatro empates. Nessas partidas, estão os jogos das quartas de final da Libertadores de 2021, das oitavas da Copa do Brasil de 2022 e as últimas duas finais do Paulistão, com um título para cada lado. 

Choquei-Rei no Brasileirão de 2020

(Foto: Fabio Menotti)

Em jogo válido pela 34ª rodada do Brasileirão de 2020, Palmeiras e São Paulo viviam momentos opostos. O São Paulo, time da casa, havia acabado de perder a liderança após 11 rodadas, logo depois da demissão do técnico Fernando Diniz, há poucas rodadas do fim do campeonato. O Tricolor tinha uma pequena chance de título, precisava ganhar todas as últimas partidas e, com algumas combinações de resultados de seus rivais, poderia sonhar em levantar a taça. 

Seu rival da Barra Funda se preparava para a final da Copa do Brasil contra o Grêmio, justamente a equipe que eliminou o São Paulo na semifinal de 2020. Então campeão da Libertadores, o Palmeiras já não estava tão focado no Campeonato Brasileiro. Mas como estava preparando o time para a final, o Verdão entrou com o time titular.

Mas o jogo acabou sendo morno e terminou empatado (1 x 1), com um gol de pênalti de Luciano, para o São Paulo, e outro de Rony, nos acréscimos, num chute que desviou ainda no volante Luan. O São Paulo, comandado interinamente por Marcos Vizolli, perdeu totalmente a chance de lutar pelo título brasileiro, e o Palmeiras conseguiu seu objetivo de atrapalhar os planos do rival.

Fim da agonia

São Paulo é campeão do Paulistão 2021 (Foto: Marcello Zambrana/Estadão Conteúdo)

Novamente, ambos os times vinham de situações diferentes para a disputado do título. O Palmeiras começou a temporada com fracassos, sendo vice-campeão da Recopa Libertadores e da revivida Supercopa do Brasil, Abel Ferreira foi questionado pela torcida. Já o tricolor paulista estava em ótima fase com o novo técnico Hernán Crespo, que colocou o antigo esquema de três zagueiros utilizado na temporada de 2005.

Na fase de grupos, o verdão não utilizou força máxima durante grande parte do campeonato e conseguiu a classificação na última rodada com a vitória do Corinthians em cima do Novorizontino. Nas quartas de final, bateu o Bragantino por 1 a 0 fora de casa e na semifinal ganhou do Corinthians de 2 a 0, em jogo eletrizante na Neo Química Arena. Mesmo com o susto de quase não se classificar, o alviverde mostrou que o campeão da Libertadores deve ser respeitado.

Em grande fase, o tricolor paulista teve uma ótima campanha durante esse Paulistão, terminando em primeiro lugar na classificação geral, isso possibilitou que o São Paulo chegasse na final sem precisar confrontar times de maior expressão. O recém contratado técnico Hernán Crespo aproveitou do DNA ofensivo imposto por anteriormente por Fernando Diniz e das novas contratações, Miranda e Martín Benítez, para acabar com o jejum de títulos. A necessidade de título era tão grande que a equipe poupou jogadores na Copa Libertadores.

O primeiro jogo do confronto foi equilibrado, nenhum time saiu na frente e a posse de bola estava com diferença mínima. Destaque da partida foi a disciplina tática de ambos os times, que não deixaram o adversário criar jogadas, com isso, a disputa terminou sem gols no Allianz Parque. Entretanto, o São Paulo teve dor de cabeça para o último jogo, pois Benítez e Daniel Alves machucaram durante o jogo e viraram desfalque. A falta do jogador mais experiente e de seu melhor armador na temporada preocuparam os torcedores.

A final foi decidida no Morumbi, sendo o São Paulo o vitorioso da final. Primeiro tempo foi diferente da partida do Allianz Parque, ambos os times tiveram boas oportunidades de sair na frente no placar, e quem saiu foi o time da casa. Aos 36 do primeiro tempo, Luan chuta a bola em cima do volante Felipe Melo que desvia para o fundo da rede, enganando o goleiro Weverton. As equipes mudaram a proposta no segundo tempo, o Palmeiras manteve a posse de bola, mas assusta muito pouco, já o São Paulo com a entrada de Luciano e João Rojas utiliza o contra-ataque para tentar ampliar o placar. O tricolor paulista foi mais efetivo na sua proposta e faz o segundo gol. Com isso, era só esperar o apito final de Raphael Claus.

O São Paulo acabou com um jejum de quase nove anos sem título e dezesseis anos sem ganhar o campeonato estadual. Já o alviverde amarga seu terceiro vice-campeonato no ano de 2021.

Polêmica e tabu quebrado, sequência de Choque-rei

Rapahel Veiga abre o placar no Allianz Parque. (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Com a confirmação do Choque-Rei nas quartas de finais da Copa Libertadores, a rivalidade foi mais alimentada nesse ano de 2021. Palmeiras vem para o clássico com sangue de vingança, mas não por causa do Paulistão apenas; o alviverde nunca ganhou do tricolor no campeonato continental em três disputas de mata-mata na competição. Para o lado São Paulino, ganhar do rival verde é certeza de chegar, pelo menos, na final da Libertadores.

Os times viveriam uma sequência de Choque-Rei, já que uma semana antes da Libertadores ocorreria o clássico válido pelo campeonato brasileiro. O jogo terminou com placar zerado, com expulsão do argentino Emiliano Rigoni e com gol contra de Gustavo Gómez invalidado por impedimento, e se o clássico já estava quente antes do jogo, começou a ferver depois desse empate.

Apesar da situação dos times durante o campeonato paulista, o mundo do futebol tem suas magias. O São Paulo, que estava vivendo uma boa fase, caiu bruscamente de produção e residiu um pequeno tempo na zona de rebaixamento; a justificativa para a má fase do time foi o esforço feito durante o campeonato paulista, já que o elenco era curto, muitas peças importante estavam lesionadas. O verdão, entretanto, se recuperou durante o brasileirão e estava na liderança do campeonato e com a sequência de noves vitórias consecutivas, até enfrentar o São Paulo. Entretanto, o Palmeiras foi desclassificado nos pênaltis para o time alagoano CRB, causando revolta na torcida.

A diretoria bancou o Abel Ferreira e valeu a pena. O primeiro confronto das quartas terminou em empatado no Morumbi, gols de Luan (novamente) e Patrick de Paula (com falha do goleiro Tiago Volpi, dessa vez, a decisão seria no Allianz Parque. O verdão atropelou o tricolor paulista em uma vitória confiante; Raphael Veiga, Dudu e Patrick de Paula selaram a goleada de 3 a 0 e encerram o tabu. Essa foi a primeira vitória e última do técnico português em cima de Hernán Crespo, pois o argentino já estava demitido no Choque-Rei do segundo turno do Brasileirão.

O Palmeiras perdeu a liderança do Campeonato Brasileiro, mas conquistou a Copa Libertadores novamente, tornando o Abel um dos técnicos mais vitoriosos da história do verdão. O tricolor paulista foi de mal a pior, perdendo nas quartas de finais da Copa do Brasil para o Fortaleza e amargando as últimas colocações do Brasileirão. Hernán Crespo foi demitido e o ídolo Rogério Ceni foi o escolhido para tirar o São Paulo do maior vexame de sua história, e obteve sucesso.

Confrontos de Rogério Ceni contra Abel Ferreira

Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Antes da final do Paulistão de 2022, o ex-goleiro confrontou o Palmeiras em duas oportunidade que o alviverde estava em melhor momento.

Com necessidade de ganhar para fugir do inédito rebaixamento, o São Paulo entrou no Allianz Parque com a dor da última goleada muito recente e com medo do vexame no final do campeonato, porém o tricolor teve a felicidade de ver seu rival poupando seus principais jogadores para o jogo. Com gols de Gabriel Sara e Luciano, o Clube da Fé saiu vitorioso. Foi um alívio para diretoria e os jogadores, que partida passada foi goleado pelo Flamengo em frente da sua torcida (as restrições por conta do Covid-19 foram amenizadas).

Com péssimo início de temporada, o Rogério Ceni foi muito contestado pela torcida, mas que apoiou o ídolo para a temporada. Entretanto, apesar da derrota para o Palmeiras de 1 a 0 em frente a sua torcida, foi a melhor partida do ano até aquele momento e o tricolor paulista conseguiu encaixar seu sistema de jogo.

Virada histórica

Zé Rafael comemora seu gol contra a equipe do São Paulo FC, durante partida válida pela final, volta, do Campeonato Paulista, na arena Allianz Parque. (Foto: Cesar Greco)

Dos confrontos já citados até aqui, talvez esse seja o mais equilibrado no papel. São Paulo vinha de uma vitória na semifinal contra o Corinthians com um elenco superior ao tricolor, suas últimas atuações coletivas eram acima da média, defesa sólida e uma ótima fase do atacante Jonathan Calleri. O Palmeiras viviam a melhor fase dos últimos anos, campeão da Recopa Sul-americana, uma boa atuação na final do Mundial de Clubes e até então invicto no Paulistão fazia o verdão o favorito na disputa e com muito moral para tirar o bicampeonato do rival.

Em clima de festa, o primeiro jogo foi realizado no estádio do Morumbi. Se a torcida tricolor não pôde presenciar a final de 2021, a do ano seguinte fez uma festa digna da Torcida Que Conduz. Em pênalti polêmico, São Paulo abriu o placar com Calleri em um primeiro tempo equilibrado e eletrizante; já o segundo tempo o time da casa foi levado pelo apoio da torcida e dominou a partida, gols do Pablo Maia, outro do Calleri e do Raphael Veiga para descontar, fechando 3 a 1 para o São Paulo. Clima de euforia no Morumbi, foi o único time do Brasil a bater o Palmeiras naquele ano.

Poucos apostavam na virada do Palmeiras, nunca na sua história eles tinham revertido uma vantagem de dois gols de diferença na história do Paulistão, mas não seria o primeiro tabu desse elenco a quebrar. O alviverde foi avassalador e atropelou o São Paulo em 4 a 0. Dois gols no primeiro tempo, de Danilo e Zé Rafael, e no segundo tempo Rapahel Veiga acaba com o jogo empurrando duas vezes na rede. A torcida do verdão transformou o Allianz Parque em caldeirão e visivelmente afetou os jogadores do São Paulo que não conseguiram fazer nada. A torcida tricolor considerou que a inexperiência do elenco e a mentalidade que o time foi ao jogo foi responsável pela derrota vergonhosa.

Revanche com polêmicas

Foto: Rodrigo Corsi/Agência Paulistão

Por dois anos seguidos, o Choque-Rei se encontra em outro mata-mata após uma final de Paulistão. O sorteio das oitavas de finais da Copa do Brasil foi recheado de clássicos estaduais e interestaduais, como Corinthians x Santos, Fortaleza x Ceará, Goiás x Atlético-GO, Flamengo x Atlético-MG e, é claro, São Paulo x Palmeiras.

O alviverde manteve a boa fase desde o Paulistão, está invicto na libertadores e é líder do brasileirão, chegando como favorito na disputada da vaga. Já o tricolor se adaptou a jogar com três zagueiros novamente e melhorou o entrosamento da equipe, mas o Rogério Ceni teve dificuldades com atletas lesionados para seguir com o planejamento.

Em menos de um mês, aconteceria três partidas de Choque-Rei, sendo duas delas na mesma semana. Palmeiras vai para Morumbi enfrentar o São Paulo na última partida da 13ª rodada na segunda-feira em mais um jogo polêmico. No primeiro tempo, Patrick abre o placar para o São Paulo em escanteio depois de uma bola espirrada na primeira área, havia dúvida se o gol foi com toque de mão, por conta da falta de uma imagem mais conclusiva, o gol foi validado.

A outra metade do jogo foi dominado pelo alviverde que pouco criava chances de gols claras. Depois de substituição de Calleri, que segurava a bola na frente, o Palmeiras foi inteiro para o ataque e conseguiu a virada na reta final de jogo com gols de Gustavo Gòmez e Murilo.

Em três dias, os times se enfrentariam pela Copa do Brasil no mesmo estádio, a torcida são paulina novamente veio em peso, mesmo com a derrota na partida passada. O jogo foi muito parecido com o anterior, com gol na raça de Patrick, o tricolor abriu o placar no primeiro tempo. A segunda metade, o Palmeiras pressionou bastante, mas o São Paulo não ficou tão passivo. O principalmente zagueiro do time da casa, Arboleda, fraturou e lesionou o ligamento da panturrilha esquerda, preocupando a equipe pro resto da temporada.

O mais recente confronto foi histórico. A blitz do Palmeiras no segundo jogo do Paulistão voltou e em quinze minutos de jogo já estava 2 a 0 para o verdão, com gols de Raphael Veiga e Piquerez, mas depois daí o jogo se equilibrou. Os contra-ataques do Palmeiras eram mais perigosos, o tricolor precisou de uma noite abençoada do goleiro Jandrei para se manter na disputa. No segundo tempo, Dudu chuta a bola na mão do Calleri e juiz precisa ir ao VAR para declarar a penalidade máxima para o verdão, que é desperdiçada por Veiga que isola a bola. No lance seguinte Miranda lança a bola para Calleri, que entra na área e é puxado por Gómez, novamente juiz utiliza arbitro de vídeo e dá o pênalti, Luciano converte para empatar no agregado. Após o jogo, foi confirmado que o VAR não verificou a possível posição de impedimento do atacante são paulino antes da penalidade, revoltando muito os torcedores e comissão técnica do time da Barra Funda.

Palmeiras, mesmo com ótimas oportunidades, não consegue voltar a frente do placar, levando os jogos a disputa por pênaltis. Veiga e Luciano são os primeiros a bater e desperdiçam. Calleri, Nikão, Igor Vinicius e Igor Gomes acertam seus pênaltis. Pro lado palmeirense Scarpa, Gómez e Piqueres não falham. Jandrei pega o primeiro e o último batido por Wesley e Igor Gomes faz o último pro São Paulo, assim classificando para as quartas de finais.

E agora?

Mesmo perdendo nos pênaltis, o alviverde empata no histórico de confronto das equipes na era Abel Ferreira. Com cinco vitórias pra cada lado e quatro empates, o equilíbrio da disputa e a rivalidade aumenta deixa todos os confrontos emocionantes.

O São Paulo disputará as quartas de final da Copa do Brasil e da Copa Sul-americana, contra o América-MG e Ceará, respectivamente. Palmeiras, fora da Copa do Brasil, irá em busca do tetra da Libertadores contra o Atlético-MG, válido pelas quartas de final da copa, além da disputa por título do Brasileirão.

Último jogo confirmado entre os times será no segundo turno do campeonato brasileiro, os rivais terão a chance de desempatar nos números ou empatar ainda mais essa rivalidade histórica nesse ano.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: